RETROSPECTIVA LITERÁRIA 2019

 

2019 foi um ano profícuo para a leitura. Consegui manter o ritmo de 15 páginas por dia (um pouco mais), o que resultou em 21 livros lidos no ano.

 

Eu indico a leitura de todos, sem exceção.

 

Mas, para não dizerem que ando isento demais, deixo meu top five, com os preferidos do ano.

 

AS 5 MELHORES LEITURAS DE 2019

1984, George Orwell (Índia britânica)

Sinopse:  Romance distópico clássico do autor britânico George Orwell. Terminado de escrever no ano de 1948 e publicado em 8 de Junho de 1949, retrata o cotidiano de um regime político totalitário de modelo comunista. No livro, Orwell mostra como uma sociedade oligárquica é capaz de reprimir qualquer um que se opuser a ela.

O romance tornou-se famoso por seu retrato da difusa fiscalização e controle de um regime coletivista-socialista na vida dos cidadãos, além da crescente invasão sobre os direitos do indivíduo. Desde sua publicação, muitos de seus termos e conceitos, como “Big Brother”, “duplipensar” e “Novilíngua” entraram no vernáculo popular. O termo “Orwelliano” surgiu para se referir a qualquer reminiscência do regime ficcional do livro. O romance é geralmente considerado como a magnum opus de Orwell.

De facto, 1984 é uma metáfora sobre o poder e atuação dos regimes comunistas, Orwell o escreveu animado de um sentido de urgência, para avisar os seus contemporâneos e às gerações futuras do perigo que corriam, e lutou desesperadamente contra a morte – sofria de tuberculose – para poder acabá-lo. Ele foi um dos primeiros simpatizantes ocidentais da esquerda que percebeu para onde o estalinismo caminhava e é aí que ele vai buscar a inspiração: percebe-se facilmente que o Grande Irmão não é senão Stalin e que o arqui-inimigo Goldstein não é senão Trotsky.

Explicando que seu objetivo básico com a obra era imaginar as consequências de um governo stalinista dominante na sociedade britânica, Orwell disse: “1984 foi baseado principalmente no comunismo, porque essa é a forma dominante de totalitarismo. Eu tentei principalmente imaginar o que o comunismo seria se estivesse firmemente enraizado nos países que falam Inglês, como seria se ele não fosse uma mera extensão do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.”

 

On the Road, Jack Kerouac (EUA)

Sinopse: O início da geração beat.

Pouco antes da meia-noite de 4 de setembro de 1957, Jack Kerouac e Joyce Johnson, a jovem escritora com quem ele estava vivendo, saíram do apartamento dela no Upper West Side, em Nova York, para esperar, numa banca de jornais na esquina da rua 66 com a Broadway, pela edição do dia seguinte do The New York Times. Kerouac fora alertado por seu editor que o romance On the Road, que escrevera havia quase dez anos, mas só então era publicado, seria comentado pelo mais prestigiado jornal americano.

Sob a luz difusa de um poste, Jack e Joyce folhearam avidamente as páginas do Times até depararem com a crítica. Assinada por Gilbert Millstein, dizia: “On the Road é o segundo romance de Jack Kerouac, e sua publicação é um evento histórico, na medida em que o surgimento de uma genuína obra de arte concorre para desvendar o espírito de uma época. (…) É a mais belamente executada, a mais límpida, e se constitui na mais importante manifestação feita até agora pela geração que o próprio Kerouac, anos atrás, batizou de beat e da qual o principal avatar é ele mesmo”.

“Após ler a resenha”, Joyce Johnson relembra, “Jack foi dormir no anonimato pela última vez. Quando o telefone nos despertou na manhã seguinte, ele era famoso”. Estava deflagrado o mito de On the Road.

 

Musashi – O vento – O Céu – Eiji Yoshikawa (Japão)

Sinopse: Este romance épico baseado diretamente na história japonesa narra um período da vida do mais famoso samurai do Japão, que viveu presumivelmente entre 1584 e 1645. O início é antológico, com Musashi recuperando os sentidos em meio a pilhas de cadáveres do lado dos vencidos na famosa batalha de Sekigahara. Perambula a seguir em meio a um Japão em crise onde samurais condenados ao desemprego e à miséria por senhores feudais derrotados semeiam a vilania ditando a lei do mais forte. Musashi será mais um dentre estes inúmeros pequenos tiranos, derrotando impiedosamente quem encontra pela frente até que um monge armado apenas de sua malícia e alguns preceitos filosóficos zen-budistas consegue capturá-lo e pô-lo rudemente à prova.

 

 Terra dos Homens – Antoine de Saint-Exupéry (França)

Sinopse: “Saint-Exaupéry tornou-se piloto civil aos 21 anos. Aos 26 integrou a equipe que foi sobrevoar o Saara e os Andes levando o correio aéreo da Europa para a África e a América do Sul. (…) Como devia ser a emoção de voar em aparelhos tão pequenos, contando apenas com a hélice e sem nenhuma presurização? É dessa emoção a matéria deste livro”. – Armando Nogueira

 

O Grande Gatsby, F. Scott Fitzgerald (EUA)

Sinopse: Obra-prima de Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby é o romance americano definitivo sobre os anos prósperos e loucos que sucederam a Primeira Guerra Mundial. O texto de Fitzgerald é original e grandioso ao narrar a história de amor de Jay Gatsby e Daisy. Ela, uma bela jovem de Lousville e ele, um oficial da marinha no início de carreira. Apesar da grande paixão, Daisy se casa com o insensível, mas extremamente rico, Tom Buchanan. Com o fim da guerra, Gatsby se dedica cegamente a enriquecer para reconquistar Daisy. Já milionário, ele compra uma mansão vizinha à de sua amada em Long Island, promove grandes festas e aguarda, certo de que ela vai aparecer. A história é contada por um espectador que não participa propriamente do que acontece – Nick Carraway. Nick aluga uma casinha modesta ao lado da mansão do Gatsby, observa e expõe os fatos sem compreender bem aquele mundo de extravagância, riqueza e tragédia iminente.

 

Abaixo seguem os outros livros lidos no ano

Som e a Fúria, William Faulkner (EUA)

Sinopse: O som e a fúria, de 1929, é considerada a obra mais importante do escritor norte-americano ganhador do prêmio Nobel de Literatura em 1949. O romance surgiu em um período de isolamento, depois que o autor teve seu terceiro romance recusado por diversas editoras. Abalado, William Faulkner investiu num estilo ousado, tecido por quatro vozes narrativas distintas e saltos inesperados no tempo. É dessa forma, permeada por tons bíblicos e ecos de tragédias gregas, que o escritor retrata a violenta decadência dos Compson, família aristocrática do sul dos Estados Unidos, que parece viver num desnorteante presente em estado bruto. Com tradução de Paulo Henriques Britto e uma análise crítica de Jean-Paul Sartre publicada em 1939, o clássico de Faulkner ganha nova e definitiva edição.

 Mensagem, Fernando Pessoa (Portugal)

Sinopse: Único título publicado em português por Fernando Pessoa em vida, Mensagem é sem dúvida um dos poemas mais importantes do século XX, ao lado de Waste Land, de T. S. Eliot, dos Cantos, de Ezra Pound e das Elegias, de Rilke, entre outros. Cada um dos 44 poemas escritos ao longo da vida podem ser lidos independentemente ou em conjunto. O conjunto, considerado um único poema, foi dividido pelo autor em três partes: ?Brasão?, ?Mar português? e “O Encoberto”, assim como é mostrado na parte final da introdução no esquema gráfico do poema. A edição ora apresentada amplia o horizonte do poema por seus aparatos. Além da apresentação cuidadosa de Caio Gagliardi, há o intertexto do poema camoniano, Os lusíadas, e um glossário com explicações dos personagens históricos, mitológicos, epígrafes e lendas, também a datação dos poemas. De modo que atende tanto ao estudante iniciante quanto ao professor mais cioso.

  Alice no País das Maravilhas, Lewis Caroll (EUA)

Sinopse: Acompanhe Alice em uma incrível aventura no País das Maravilhas! Veja Alice crescer e diminuir, conheça o Gato de Cheshire, encontre o Chapeleiro Maluco, acompanhe um julgamento da Rainha de Copas e muito mais. Abra o livro e veja o País das Maravilhas ganhar vida! Não recomendado para menores de 3 anos de idade.

 Deserto dos Tártaros, Dino Buzzati (Itália)

Sinopse: O deserto dos tártaros é a obra-prima de Dino Buzzati. Publicado originalmente em 1940, o livro marcou a consagração do autor entre os grandes nomes da literatura italiana e foi eleito pela crítica especializada um dos melhores livros do século XX. A obra narra a história do jovem tenente Giovanni Drogo, que recebe com alegria uma missão no forte Bastiani — para ele, a primeira etapa de uma carreira gloriosa. Embora não pretendesse ficar por muito tempo, o oficial de repente se dá conta de que os anos se passaram enquanto, quase sem perceber, ele e seus companheiros alimentavam a expectativa de uma invasão estrangeira que nunca acontece. A espera pelo inimigo transforma-se na espera por uma razão de viver, na renúncia da juventude e na mistura de fantasia e realidade.

 Histórias Extraordinárias, Edgar Allan Poe (Inglaterra)

Sinopse: O terror nos repele e nos atrai com a mesma força, por isso é tão fascinante. Em “Histórias extraordinárias”, fazemos uma viagem por alguns dos mais notórios contos de Edgar Allan Poe, originalmente publicados entre 1833 e 1845. As dezoito narrativas que compõem a obra nos aproximam do sobrenatural e do inesperado em ricas tramas temperadas com uma fina ironia. Para completar, a genialidade do autor é ainda mais valorizada pela impecável tradução de Clarice Lispector, escritora que dispensa apresentações.

  As Cidades Invisíveis, Italo Calvino (Cuba/Itália)

Sinopse: “Se meu livro As cidades invisíveis continua sendo para mim aquele em que penso haver dito mais coisas, será talvez porque tenha conseguido concentrar em um único símbolo todas as minhas reflexões, experiências e conjeturas.” Assim se refere o próprio Italo Calvino – um dos escritores mais importantes e instigantes da segunda metade do século XX – a este livro surpreendente, em que a cidade deixa de ser um conceito geográfico para se tornar o símbolo complexo e inesgotável da existência humana.

  Trópico de Câncer, Henry Miller (EUA)

Sinopse: Publicado orginalmente em 1934, em Paris, Trópico de Câncer foi imediatamente proibido em todos os países de língua inglesa. Tachado como pornográfico, assim como seu sucessor Trópico de Capricórnio, só foi liberado nos Estados Unidos e na Inglaterra nos anos 1960, aclamado como parte da revolução sexual. O livro foi celebrado pelos maiores intelectuais da época e se tornou um dos grandes clássicos da literatura americana. Samuel Beckett o saudou como “um evento monumental da história da escrita moderna”. E outros nomes como T. S. Eliot, Ezra Pound e Lawrence Durrell também notaram rapidamente o talento de Miller. O livro traz um relato autobiográfico e idiossincrático de Miller, que chega a Paris após abandonar nos EUA um casamento arruinado e uma carreira estagnada. Mesmo sem um centavo no bolso, Henry Miller é apresentado à boemia francesa e redescobre seu próprio talento em dias e noites de liberdade e alegria sem fim.

 Araruama – Ian Fraser (Brasil)

Sinopse: Em Araruama, o momento do nascimento é um ritual sagrado. Monâ, a mãe do tempo e de todas as coisas, costura a duração de vida dentro do corpo de cada criança. Ao som das palavras de Majé Ceci após o parto, cada destino é selado: Kaluanã, nascido para uma vida mais longa que os números podem dar conta; Obiru, o capanema que morrerá jovem, destinado a descascar mandioca sob o olhar de desgosto do pai; Apoema, a que vê além e sonha em voar.

Em O Livro das Sementes, o primeiro volume da série, o leitor é transportado para uma realidade dura e encantada, onde as palavras são magia, a fl oresta é o mundo e forças determinam o equilíbrio da Ibi, a terra. A harmonia se baseia nas regras dos deuses, onde morte e vida, caça e caçador convivem até que a luz se apague.

Mas este ciclo tão familiar pode estar com os dias contados, pois sobre a Ibi se espalha um sentimento novo e incômodo: uma “fome sem apetite”, uma paixão pelas pedras derretidas. É o anúncio de que tempos sombrios estão por vir, sob formas nunca vistas antes – e os destinos das crianças de Araruama estão tão entrelaçados como raízes retorcidas.

 Lugar Nenhum – Neil Gaiman (Inglaterra)

Sinopse: Publicado pela primeira vez em 1997, a partir do roteiro para uma série de TV, o sombrio e hipnótico Lugar Nenhum, primeiro romance de Neil Gaiman, anunciou a chegada de um grande nome da literatura contemporânea e se tornou um marco da fantasia urbana. Ao longo dos anos, diferentes versões foram publicadas nos Estados Unidos e na Inglaterra, e Neil Gaiman elaborou, a partir desse material, um texto que viesse a ser definitivo: esta edição preferida do autor.
Em Lugar Nenhum, Richard Mayhew é um homem simples de coração bom que tem a vida transformada quando ajuda uma jovem que encontra ferida numa calçada. De um dia para o outro, Richard se torna invisível na Londres que sempre conheceu: não tem mais trabalho, não tem mais noiva, não tem mais casa. Para recuperar sua vida, ele se embrenha em um mundo que nunca sonhou existir, uma cidade que se abre nos esgotos e nos túneis subterrâneos: a chamada Londres de Baixo, em que personagens únicos e cenários mirabolantes fazem a Londres de Cima parecer uma mera paisagem cinza.

Com muita ação, um bom humor peculiar e evocações sombrias de um mundo fantástico, Lugar Nenhum é leitura indispensável para os fãs de Neil Gaiman e um rico prazer para os que ainda não conhecem o autor.

 As crônicas de Nárnia – C. S. Lewis (Irlanda – Reino Unido)

Sinopse: Viagens ao fim do mundo, criaturas fantásticas e batalhas épicas entre o bem e o mal – o que mais um leitor poderia querer de um livro? O livro que tem tudo isso é ‘O leão, a feiticeira e o guarda-roupa’, escrito em 1949 por Clive Staples Lewis. MasLewis não parou por aí. Seis outros livros vieram depois e, juntos, ficaram conhecidos como ‘As crônicas de Nárnia’. Nos últimos cinqüenta anos, ‘As crônicas de Nárnia’ transcenderam o gênero da fantasia para se tornar parte do cânone da literaturaclássica. Cada um dos sete livros é uma obra-prima, atraindo o leitor para um mundo em que a magia encontra a realidade, e o resultado é um mundo ficcional que tem fascinado gerações. Esta edição apresenta todas as sete crônicas integralmente, num único volume. Os livros são apresentados de acordo com a ordem de preferência de Lewis, cada capítulo com uma ilustração do artista original, Pauline Baynes. Enganosamente simples e direta, ‘As crônicas de Nárnia’ continuam cativando os leitores com aventuras, personagens e fatos que falam a pessoas de todas as idades.

 Curupira – Graça Lima (Brasil)

Sinopse: O espetáculo já vai começar. Tudo é novo e enigma no teatro do premiado escritor e dramaturgo Roger Mello. Um assovio lá longe distrai o pensamento. Outro assovio… De novo e bem mais perto! Risos. Tem um engraçadinho na platéia — é o que o público pensa. Mas agora o assovio vem da coxia, e para lá também caminha o foco da atenção. Curupira, meu amigo, é assim: um assovio aqui, outro mais adiante e quando se vê… Não tem jeito. Não tem volta.

É assim o coisinha: meio-bicho, meio-gente, meio-assombração. Se é que podem haver três meios… Quando se vê, o teatro engoliu a gente e Curupira está mais vivo e esperto do que nunca. O espectador-leitor-ator que se cuide. O engraçadinho está escondido onde ninguém poderia imaginar. Alguém aí ouviu um assovio?

Ilustrações de Graça Lima.

 O cavaleiro Preso na armadura – Robert Fisher (EUA)

Sinopse: O cavaleiro que protagoniza esta fábula vive em busca do seu verdadeiro eu. mas não encontra as verdades que procura por estar sempre preso em sua armadura pronto para guerrear. A história funciona como uma orientação para adultos e jovens que acabam se distanciando dos amigos e da família. seja por estabelecerem outras prioridades. ou simplesmente por não saberem como demonstrar carinho.

 O escritor de fim de semana – Robert J. Raj (Inglaterra)

Sinopse: Um livro para quem deseja aprender a escrever romances de ficção, que ensina o passo-a-passo para a crianção de cenas, personagens, enredos, etc.

A elaboração de uma obra literária exige do escritor um certo preparo, que é indispensável qualquer que seja o gênero em que ele pretenda se expressar. Este livro mostra que é possível, para quem tenha vontade e alguma disciplina, tornar-se um escritor em período de tempo relativamente curto. Num diálogo simples com o leitor, o Autor apresenta as técnicas de criação de personagens, montagem de enredo, construção de cenas e todos os demais aspectos próprios da obra de ficção, num programa de 52 semanas, ao final do qual o leitor deverá ter concluído a escrita de um romance.

 Quando a lenda fanha vida – Junior Salvador e Wesnen Tellurian (Brasil)

Sinopse: O folclore é parte integrante da história e da cultura de um povo. Os mitos, lendas e costumes da Europa se espalharam por todo o mundo e hoje fazem parte do nosso imaginário coletivo. Chegou então o momento de darmos ao Folclore Brasileiro o mesmo tratamento.

Muito do que conhecemos sobre o nosso folclore é aquilo que aprendemos nas escolas. Mas se soubéssemos a verdade dessas histórias antigamente, criança alguma dormiria à noite e muitas delas poderiam ter sua infância destruída… Nem tudo é terror, nem tudo é fantasia. Aliás, você pode nunca ter visto, mas isto não significa que não seja real.

Com toda essa riqueza que temos, a antologia Quando a Lenda Ganha Vida reúne quinze autores nacionais que voltaram seus olhos para a tradição e a cultura do nosso povo.

 Extraordinário – R. J. Palácio (EUA)

Sinopse: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma sindrome genetica cuja sequela e uma severa deformidade facial, que lhe impos diversas cirurgias e complicacoes medicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade… ate agora. Todo mundo sabe que e dificil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tao diferente. Prestes a comecar o quinto ano em um colegio particular de Nova York, Auggie tem uma missao nada facil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparencia incomum, ele e um menino igual a todos os outros.

J. Palacio criou uma historia edificante, repleta de amor e esperanca, em que um grupo de pessoas luta para espalhar compaixao, aceitacao e gentileza. Narrado da perspectiva de Auggie e tambem de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraidos, Extraordinario consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, familia, amigos e comunidade um impacto forte, comovente e, sem duvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo o tipo de leitor.

 O Brakki – A lágrima de Giius I – André Regal (Brasil)

Sinopse: Quando mais uma garota aparece dilacerada nos arredores da pequena Cistol, a guarda resolve finalmente intervir. Dessa vez, a vítima é filha de um conhecido médico local. Suspeita-se que um brakki, uma raça de monstro que atormenta os quatro reinos de Elenesta, seja o responsável pelos ataques. O pai da moça resolve oferecer uma generosa recompensa a quem capturar a criatura.
Symas, um ex-soldado devastado pelo tempo e por tudo que perdeu, não quer se envolver. Não é mais digno de portar sua espada, depois dos últimos fracassos que marcaram sua vida. Mas será um trapaceiro ladrão quem o convencerá a calçar as velhas botas e rastrear não só o brakki, mas também as pegadas do homem que um dia fora.

 ** 

Foram 4 livros brasileiros, 7 americanos (EUA), 5 britânicos (incluindo o reino unido e a Índia britânica), 1 de Portugal, 2 da Itália, 1 da França e 1 do Japão.

 

As sinopse foram retiradas do Skoob.

 

Ao longo de 2020, provavelmente, trarei resenhas de cada um deles.

 


CONHEÇA MEUS LIVROS

 

 

 

 

 

 

 

ADQUIRA O SEU AQUI

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *